Notice: A função WP_Scripts::localize foi chamada incorretamente. O parâmetro $l10n deve ser um array. Para passar um dado arbitrário para os scripts, use a função wp_add_inline_script() ao invés. Leia como Depurar o WordPress para mais informações. (Esta mensagem foi adicionada na versão 5.7.0.) in /home/uppertru/public_html/wp-includes/functions.php on line 5835
Pular para o conteúdo
Home » Caminhoneiros ficam 10 dias preso em protesto de bolivianos

Caminhoneiros ficam 10 dias preso em protesto de bolivianos

caminhoneiros ficam mais de 10 dias presos

Fila de caminhoneiros com os seus caminhões formada após fechamento da fronteira chegou a 20 km

Caminhoneiros ficam 10 dias e o protesto de bolivianos que bloqueou rodovias no país vizinho a cerca de 15 km da fronteira com Corumbá chegou ao fim. O cerca de 200 caminhoneiros brasileiros “presos” na Bolívia puderam voltar, transportadoras recuperaram seus caminhões e atacadistas do Brasil também puderam passar para abastecer clientes em Puerto Quijarro e Puerto Suàrez.

A informação é do presidente da SetLog Pantanal (Sindicato das Empresas de Transporte Rodoviário de Cargas e Logística de Corumbá e Ladário), Lourival Junior. Depois de abrirem as estradas ontem (17) por duas horas e do desbloqueio parcial nesta manhã, o trânsito foi totalmente liberado hoje, por volta das 16h.

Similarmente, o governo boliviano conseguiu negociar o fim do protesto com manifestantes que reivindicam mais atenção no controle da covid-19 no País. O Governo de Mato Grosso do Sul chegou a pedir interferência do Ministérion das Relações Exteriores.

Caminhoneiros ficam 10 dias e no dia 8. Bolivianos fecharam as rodovias e então começou a se formar a fila de caminhões que chegou a atingir 20 km.

Outrossim, em entrevista ao Diário Corumbaense, o presidente do Comitê Cívico de Puerto Suárez, Humberto Miglino Rau. Esses explicaram que o protesto não tinha cunho político e enfatizou que faltam equipamentos e itens médicos para os profissionais que atuam no País.  

“Nós enviamos duas cartas ao presidente do país com as reivindicações e não fomos atendidos. Fizemos um bloqueio de 48h e não fomos atendidos”, declarou fazendo menção ao protesto realizado no mês passado.

Dentre as reivindicações estão a de melhorar a estrutura do Hospital San Juan de Dios que atende pacientes das cidades bolivianas mais próximas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *