Notice: A função WP_Scripts::localize foi chamada incorretamente. O parâmetro $l10n deve ser um array. Para passar um dado arbitrário para os scripts, use a função wp_add_inline_script() ao invés. Leia como Depurar o WordPress para mais informações. (Esta mensagem foi adicionada na versão 5.7.0.) in /home/uppertru/public_html/wp-includes/functions.php on line 5835
Pular para o conteúdo
Home » Defasagem do frete atinge 13,9%; mão de obra e combustível devem pressionar em 2021

Defasagem do frete atinge 13,9%; mão de obra e combustível devem pressionar em 2021

Defasagem do frete

A defasagem do valor frete no setor de transportes rodoviários de cargas do Brasil terminou 2020 em 13,9%, mesmo patamar que era verificado no início do ciclo, em meio à pressão advinda principalmente dos custos com veículos e descontos dados durante a pandemia, disse nesta quinta-feira a associação NTC&Logística.

As despesas só não foram maiores porque o diesel, que representa 50% dos custos de um caminhão bitrem, apresentou ligeira queda na comparação anual.

Segundo levantamento da associação, as empresas do setor promoveram reajuste médio negativo de 1,0% no valor do frete ao longo no ano passado, durante o qual a economia brasileira foi fortemente afetada pela pandemia de coronavírus.

Leia: Governo cogita comprar caminhões antigos para equilibrar preços do frete

Embora a maior parte das companhias pesquisadas (41,4%) tenha mantido estável o valor do frete em 2020, 30,8% delas concederam um desconto médio de 7,9%, justificando o resultado.

Uma minoria (27,8%) reajustou o frete para cima, com alta média de 5,3%, de acordo com a NTC&Logística

Ainda assim, o dado representa uma alteração de panorama frente ao primeiro semestre de 2020, quando mais da metade das empresas diziam conceder descontos face ao impacto da pandemia, o que resultava em um reajuste negativo de 4,7% à época.

Os custos do transporte rodoviário, segundo a associação, aumentaram no ano passado, diante da inflação elevada, apesar de uma pressão menor dos combustíveis e mão de obra, que compõem juntos quase metade das planilhas de custos operacionais.

INCT

O Índice Nacional do Custo de Transporte de Carga (INCT) para as cargas fracionadas, que contêm pequenos volumes, apurou alta de 9,43% no ano, enquanto o INCT para cargas lotação que ocupam toda a capacidade do veículo subiu 7,15%.

Os custos com o veículo que envolvem depreciação, remuneração, IPVA, seguro do casco e manutenção subiram 9,5%, enquanto o Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M), que influencia os aluguéis pelo setor, avançou 21,1% no ano.

Marcações:

1 comentário em “Defasagem do frete atinge 13,9%; mão de obra e combustível devem pressionar em 2021”

  1. Pingback: Caminhoneiros e motoristas de aplicativo protestam contra reajustes no valor dos combustíveis no PA - Transporte, consolidação e otimização de cargas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *