Home » ‘Ferrogrão será balizadora do frete em Mato Grosso’, avalia Movimento Pró-Logística

‘Ferrogrão será balizadora do frete em Mato Grosso’, avalia Movimento Pró-Logística

‘Ferrogrão será balizadora do frete em Mato Grosso’, avalia Movimento Pró-Logística
Compartilhe em suas redes sociais!

Diretor da entidade fez uma avaliação da política de concessões do governo e apontou projeção de queda de R$ 170 para R$ 100 por tonelada no frete cobrado no estado, após conclusão da ferrovia

A ambiciosa política de concessões do governo federal e os efeitos práticos na redução do custo logístico para o agro foram tema do programa Direto ao Ponto deste domingo com o famosos Ferrogrão, 25. O programa prevê a aplicação de investimentos privados de quase R$ 250 bilhões até 2022 em todos os modais de transporte.

Para o setor agropecuário, os projetos de maior impacto em andamento são de ferrovias e rodovias, informou o diretor do Movimento Pró-Logística, Edeon Vaz.

Ferrogrão

Vaz avalia que as concessões ferroviárias são as que estão mais adiantadas. Um dos principais investimentos é a Ferrogrão, na visão da entidade. A malha vai percorrer de Sinop, em Mato Grosso, até Miritituba, no Pará, um dos trechos mais movimentados da BR-163, apontou o dirigente do Movimento Pró-Logística. No momento, esse trecho está em análise no TCU e Edeon Vaz acredita que será licitado até o primeiro quadrimestre de 2021.

“Essa ferrovia vai ser, no nosso entender, o balizamento do valor do frete de Mato Grosso e vai influenciar obviamente o resto do Brasil. Nós entendemos que a melhor alternativa é a ferrovia”, disse.

De acordo com Vaz, antes da pavimentação da BR-163 (concluída no ano passado), o valor do frete era de R$ 230 por tonelada entre Sinop e Miritituba. Depois da obra, passou para R$ 170. E, com a implantação da ferrovia, a projeção feita pelo Movimento Pró-Logística é de que o valor do frete fique em torno de R$ 100 por tonelada.

Outorga cruzada

Edeon Vaz ainda explicou que o governo tem feito algumas renovações antecipadas de concessões. Ele citou o exemplo da Malha Paulista, cujo contrato foi renovado por mais 30 anos e, na negociação, foi incluída a modalidade de outorga cruzada.

Como contrapartida pelo antecipação do contrato, a concessionária irá construir o trecho da Ferronorte que liga Rondonópolis a Lucas do Rio Verde (ambos em Mato Grosso) até o porto de Santos (SP). Essa expansão fará com que a linha férrea consiga operar em sua capacidade máxima de transporte de 35 milhões de toneladas. Hoje, a malha transporta cerca de 23 milhões de toneladas, informou o diretor do Movimento Pró-Logística.

1 comentário em “‘Ferrogrão será balizadora do frete em Mato Grosso’, avalia Movimento Pró-Logística”

  1. Pingback: Carro bate de frente com caminhão e mãe e filha morrem no Sul de Minas - Transporte, consolidação e otimização de cargas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis − 13 =