E-commerce: serviço de frete equivale a mais da metade de custos logísticos.
22/02/2018
Evasão do crime carioca poderá provocar êxodo para outros estados
27/02/2018

Correios anuncia aumento para e-commerce que poderá variar entre 29% e 51%

mercado livre contra aumento abusivo do frete

Mercado Livre veicula campanha que promove protesto contra um aumento de frete anunciado pelos Correios. #FreteAbusivoNão

A empresa de e-commerce Mercado Livre, enviou na tarde desta terça-feira (27), um comunicado para todos os seus usuários no Brasil informado que os Correios pretendem aumentar em até 51% o frete dos produtos comprados pela internet.

 

Segundo o informativo, o aumento previsto para o próximo dia 6 de março é abusivo se comparado com a inflação do último ano, que teve um reajuste em torno de 3%.

O Mercado Livre ainda divulgou o quanto o frete no Brasil ficará mais caro em relação à outros países em que também atua. Segundo a empresa, o frete brasileiro será 42% mais caro do que o da Argentina, 160% mais caro do que o do México e 282% mais caro do que o da Colômbia.

De certa forma, abre-se uma janela para o avanço de outras empresas de transporte que atuam com entregas via vendas no e-commerce.

O Mercado Livre ainda acusou os Correios de quererem repassar o que, segundo a companhia, seriam os custos da falta de eficiência da estatal brasileira: “Ao escolher repassar os custos da sua ineficiência operacional, os Correios causam um retrocesso na forma de comércio que mais cresce no mundo. Um retrocesso que impacta diretamente os pequenos e médios”.

Semana na fácil para os Correios que deve se organizar para a mobilização prevista no estado do Mato Grosso que podem paralisar as atividades por tempo indeterminado. Nesta quinta-feira (1), serão realizadas assembleias gerais extraordinárias, em Alta Floresta, Cuiabá, Cáceres, Rondonópolis e Sinop, para decidir sobre a aprovação de estado de greve no Estado.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Empresas de Correios, Telégrafos e Serviços Postais (Sintect), em Mato Grosso, Edmar Leite, a direção nacional da empresa pretende mudar o plano de saúde da categoria. “Ela (direção) entrou com dissídio coletivo no Tribunal Superior do Trabalho (TST) para impor mensalidade e ainda retirar os pais dos trabalhadores dos planos de saúde”, afirmou.

Atualmente, os funcionários dos Correios que totalizam 1.550 colaboradores, pagam um percentual por uso do plano. Segundo Edmar, a ideia da empresa é impor uma mensalidade fixa. “Muitos trabalhadores não darão conta de pagar, pois muitos atuam com salários baixos. Muitos funcionários aceitaram estes salários pelos benefícios, sendo que o plano é o principal. A empresa está antecipando o ataque. Isso pode resultar em uma greve nacional”, explicou.

No ano passado, a categoria paralisou as atividades por 18 dias. O movimento foi encerrado em outubro, após proposta que prevê reajuste de 2,07% nos salários e benefícios, manutenção das cláusulas sociais, compensação de 64 horas (oito dias) e desconto dos demais dias de ausência, além da manutenção das cláusulas já existentes no acordo firmado em 2016.

O Mercado Livre pode trabalhar a favor de uma grande mobilização social, pois a empresa está incentivando o uso da hastag #FreteAbusivoNão, como uma forma de mobilizar as pessoas contra o aumento.

2 Comentários

  1. […] alguns dos inúmeros problemas. Leia nossa matéria sobre o último enfrentamento com o gigante Mercado Livre.Mesmo com o anúncio de uma próspera parceria com a Cia aérea Azul, não parece que os Correios […]

  2. Wallace Silva disse:

    Ótimo site,sempre bom saber sobre esse tipo de noticia!
    Grupo de Danca Para o Seu Casamento Arabe, Brasil, Sao Paulo – SP

Deixe uma resposta

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE