Home » MOTORISTA AGREGADO TEM VÍNCULO EMPREGATÍCIO?

MOTORISTA AGREGADO TEM VÍNCULO EMPREGATÍCIO?

Compartilhe em suas redes sociais!

No segmento da logística, é comum que muitos empresários se questionem sobre as diferenças e benefícios entre contratar motoristas terceirizados e agregados, especialmente em um cenário no qual a pressão por serviços competitivos e custos menores é grande.

 

Enquanto muitas empresas acreditam que a terceirização é uma manobra interessante para ganhar produtividade e garantir um bom custo-benefício, outras pensam que o profissional agregado é uma forma eficaz de assegurar a qualidade do transporte.

 

Independentemente da escolha, cada modalidade apresenta vantagens e desvantagens. Seus aspectos e pontos cruciais devem ser analisados e debatidos profundamente pelos gestores. Afinal, o tipo de modelo adotado impacta diretamente os resultados e a performance do negócio.

 

Para ajudar nessa tarefa, a Uppertruck irá te explicar, neste post, quais são as distinções na forma de trabalho de caminhoneiros terceirizados e agregados e os ganhos que cada tipo oferece. Interessado em saber mais? Continue a leitura!

 

 

MAS AFINAL DE CONTAS, O QUE SÃO MOTORISTAS TERCEIRIZADOS?

Motoristas terceirizados são prestadores de serviço que atuam em uma empresa ou transportadora por meio de um contrato específico. Ou seja, uma instituição entra em contato com um fornecedor especializado e solicita mão de obra por um tempo estipulado em contrato.

 

Logo, os motoristas terceirizados não têm vínculo empregatício e não recebem direitos trabalhistas de seu cliente, mas sim da empresa que foi contratada por ele.

 

COMO FUNCIONA ESSE MODELO DE CONTRATO?

A Lei Federal nº 13.429, de 31 de março de 2017 — conhecida como Lei da Terceirização —, expandiu as possibilidades de terceirização dentro das empresas, inclusive para cargos relacionados às suas atividades-fim.

 

Nesse novo contexto, a contratação, remuneração — o que inclui benefícios e extras, como férias e décimo terceiro —, treinamento e todos os aspectos ligados à gestão dos trabalhadores ficam a cargo da organização contratada.

 

Assim, se sua transportadora tem um motorista que recebe um vale-alimentação, por exemplo, você não é obrigado a conceder o mesmo benefício para o terceirizado. Você deve, no entanto, assegurar as mesmas condições de trabalho, higiene, salubridade e segurança.

 

 

Leia também: CONHEÇA OS TIPOS DE FRETES E SAIBA COMO FAZER A ESCOLHA CERTA

 

QUAIS SÃO OS BENEFÍCIOS?

Sem dúvidas, a terceirização permite que empresas ampliem seu negócio, podendo testar novas formas de trabalho e aumentar a área de atuação sem o compromisso de contratar uma nova equipe e assumir altos gastos com encargos trabalhistas.

 

Se a transportadora souber fazer uma boa escolha e não focar apenas no menor custo, tem a oportunidade de encontrar um bom parceiro que vai ajudar a tornar suas atividades mais eficientes e produtivas.

 

Um ponto que cabe ressaltar é que empresas cujo core business é a terceirização de motoristas e transportes tendem a investir mais em qualidade, capacitação e ensino de boas práticas para ganharem destaque no mercado. Desse jeito, a transportadora tem ao seu lado especialistas no assunto para agregar mais valor às suas operações.

 

O QUE SÃO  E COMO FUNCIONA ESSA CATEGORIA?

Assim como um condutor autônomo, o agregado é independente e dono do seu próprio veículo. Em contrapartida, ao contrário do primeiro. Ele é um prestador de serviço recorrente e fiel a uma determinada empresa.

 

Na prática, ele desempenha suas atribuições assim como um funcionário, porém não tem vínculo empregatício com a instituição — mesmo continuando a trabalhar exclusivamente para ela. De acordo com o contrato firmado entre as partes.

 

Logo, ele atua como dono de seu próprio negócio, por isso, deve acompanhar seu fluxo financeiro, regular sua rotina e cuidar da manutenção do caminhão.

 

Ao mesmo tempo, como é parceiro de uma empresa, consegue prever com maior facilidade sua renda e negociar ganhos mais interessantes — já que seu trabalho não prevê a incidência de encargos trabalhistas.

 

Vale lembrar que o motorista agregado é um profissional independente que, por conta da qualidade do seu trabalho, pode fidelizar clientes, mas é considerado livre para assumir propostas com outras organizações.

 

 

Acompanhe as novidades da Uppertruck nas redes sociais:

 

Instagram:https://www.instagram.com/uppertruck/

 

 

Facebook:https://www.facebook.com/uppertruck

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × cinco =